A Presença da Mulher no Rugby - REUNION ALMA Rugby

A Presença da Mulher no Rugby

Um dos pilares do Rugby é o respeito e isso é muito citado quando tratamos das diferenças entre um jogador e outro. Mas, por ser um esporte de contato, é considerado um esporte “masculino”. O Rugby feminino é, assim como diversos outros esportes em que a Mulher resolve jogar, subestimado.

Quando comecei a jogar, aqui pelo +Esportes +Valores, os meninos me perguntaram se eu seria a líder de torcida deles. Mesmo como piada, tem cunho machista, que mostra como temos que sempre nos provar quando decidimos fazer algo novo. Principalmente algo que é considerado ser para homens.

Adriana Moraes Alves (Dri! <3), professora de educação física e parceira da (de) ALMA, conta que no começo encontrou muita dificuldade para começar a jogar Rugby: “Muitos homens não respeitavam minhas opiniões, por achar que mulher não entende do rugby.”

Já uma ex-aluna nossa, Eva Rocha, disse que o preconceito vem mais de fora, “as pessoas sempre diziam ‘rugby é um esporte violento você não tem medo de se machucar?’ e várias vezes eu tive que explicar que rugby é um esporte de contato físico intenso que não exige um tipo de corpo específico ou um gênero e que nós aprendemos as técnicas de ter contato com segurança. Os julgamentos geralmente partem de pessoas que nunca tiveram contato com o esporte, que acham que rugby é só pancadaria e eu como sou mulher deveria escolher algo ‘mais leve’.”

Com a luta feminista e o empoderamento da mulher, fica cada vez menos difícil tentar algo novo. Com alguns anos na profissão, Dri diz que agora é mais respeitada e seus pontos de vista e opiniões são sempre levados em conta, “Importante sempre ser profissional e nunca desistir.” E espera que os times de XV tenham mais oportunidades, uma vez que dá pra mais mulheres estarem em campo e mostrarem seu potencial.

O ideal é que não tenhamos que nos esforçar para, além de jogar, provar que podemos praticar o Rugby – ou qualquer outra atividade que tenhamos vontade de fazer. Os 13 campeonatos sul-americanos e a classificação para a Copa do Mundo de 2018 das Yaras (Seleção Feminina do Brasil), mostram que capacidade e força de vontade não faltam para as mulheres!

E para às mulheres: Vamos jogar e continuar mostrando que a gente pode!

Mulher no Rugby - Portia Woodman