Israel Folau pode ser demitido do Rugby Australiano por conta de comentários homofóbicos

O jogador australiano Israel Folau fez um post de mídia social dizendo que os gays iriam para o “inferno” se não “se arrependessem”.

Antes de falar do que aconteceu, vamos lembrar que um dos principais, senão o principal, valores do rugby é o respeito. E, da mesma forma que as escolhas religiosas do jogador ou de qualquer pessoa não devem ser julgadas, o modo de vida de outros também deve ter o mesmo tratamento.

O respeito é um dos Valores da ALMA e aceitamos toda forma de amor e de religião, contanto que esses também respeitem ao próximo.

Não é a primeira vez que o zagueiro de 30 anos, cristão fundamentalista, posta comentários semelhantes, aconteceu também no ano passado, quando falou em seu Instagram que  proclamar que o inferno aguarda “bêbados, homossexuais, adúlteros, mentirosos, fornicadores, ladrões, ateus e idólatras”, mas a Rugby Austrália tomou uma posição muito mais dura dessa vez, quando o comportamento voltou a se repetir.

O contrato de vários milhões de dólares que a Folau assinou em fevereiro parece estar rasgado, a menos que ele consiga convencer a RA e o New South Wales Waratahs de que existem “fatores atenuantes convincentes” para compartilhar o post.

RA e os Waratahs disseram que fizeram repetidas tentativas desde quarta-feira para contatar Folau, que não postou mais nada nas mídias sociais, nem excluiu o meme ofensivo, desde que o furor se rompeu.

Folau manteve silêncio se recusou a responder às perguntas de um repórter de TV, antes que a Associação de Jogadores da União de Rugby divulgasse um comunicado na sexta-feira à noite para confirmar que o jogador havia se encontrado com autoridades da RA na sexta-feira.

“É importante notar que Israel continua contratado tanto para a Rugby Australia quanto para a NSW Waratahs neste momento e, como tal, sinalizou sua intenção de continuar a honrar seu contrato”, disse a RUPA.

O sindicato afirmou que não compartilha ou endossa a opinião de Folau, mas continuará a apoiar o jogador conforme necessário.

“É a posição da RUPA que qualquer ação disciplinar deve ser tratada de acordo com o código de conduta do Rugby AU Professional Player. A RUPA trabalhará ao lado de Israel e seus representantes, da NSW Rugby Union e da Rugby Australia para assegurar que este processo seja seguido. ”

As conseqüências, no entanto, continuaram com numerosos colunistas de mídia opinando sobre o que a decisão significou para o país e os políticos australianos entrando. O primeiro-ministro, Scott Morrison, que é um cristão pentecostal como Folau e defendeu o jogador após seus comentários ano passado , disse que era uma decisão para RA fazer.

“Os comentários de Israel eram insensíveis e é importante que, quando você está na vida pública, esteja consciente de que é sensível a outros australianos e que fala com essa empatia”, disse ele.

O líder da oposição, Bill Shorten, disse que as autoridades do Rugby agiram apropriadamente. “Não há liberdade para perpetuar o discurso de ódio”, disse ele. “Alguns dos comentários que foram vistos estão muito mais perto do ódio do que eu acho apropriado para o que as pessoas deveriam estar fazendo nas redes sociais.”

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Adern, expressou sua preocupação de que o status de Folau lhe permitisse uma plataforma para divulgar seus pontos de vista. “Ele é uma pessoa em posição de influência e eu acho que com isso vem a responsabilidade”, disse Ardern. “Estou particularmente atento aos jovens que são membros da nossa comunidade arco-íris, há muita vulnerabilidade lá.”

O ex-apresentador de rádio Wallabies, Alan Jones, disse que a decisão colocou em risco a liberdade de expressão na Austrália e foi motivada pela preocupação da RA em não incomodar os patrocinadores. “Não tem nada a ver com Israel, ou rugby, ou religião, homossexuais ou qualquer outra coisa. Onde estamos neste país sobre liberdade de expressão? ”Ele disse. “Temos um problema aqui porque estamos indo por uma estrada muito estreita aqui”.

Havia também preocupação com a questão da liberdade de expressão do ex-vice-primeiro-ministro, Barnaby Joyce, que disse não concordar com as opiniões do jogador, mas estava “claramente desconfortável com essa pilha”.

“Ele é um jogador de rugby com uma cosmovisão bem conservadora muito cristã”, disse Joyce. “Eles o empregaram e sabiam, como podem despedi-lo?”

Além de seu compromisso feroz com sua fé, permanece um mistério sobre o que motivou Folau a continuar com suas explosões na mídia social após ter sido advertido no ano passado por Castle para expressar suas opiniões de maneira “respeitosa”.

Parece incompreensível que o astro arrisque sua carreira – e a oportunidade de ganhar uma Copa do Mundo este ano com os Wallabies – se ele não tiver outra opção de jogo.

As chances de Folau voltar para a liga de rúgbi no NRL foram frustradas na noite de quinta-feira com a entidade australiana Rugby League Commission rejeitando qualquer retorno ao esporte.

“Israel Folau não transmite nossa cultura de inclusão, que é uma política fortemente apoiada pela ARLC”, disse o presidente da Comissão de Rugby League, Peter Beattie a Fairfax. “E depois de conversar com alguns comissários hoje à noite, não o apoiamos jogando liga de rugby novamente.”